luveredas











Demografia Unicamp

FABRÍCIO LOBEL
DE SÃO PAULO

23/08/2015

“He shui! He shui!”, repete a enfermeira Patrícia Pinheiro às gestantes que passam pelo pré-natal na UBS (Unidade Básica de Saúde) da Sé, nos arredores da avenida do Estado, no centro de SP.

A recomendação para que as grávidas bebam água é feita assim mesmo, em mandarim, a um contingente cada vez maior de chinesas que chegam ao local.

Segundo dois médicos, duas enfermeiras e uma tradutora ouvidos pela Folha, as imigrantes relatam a expectativa de, com um filho brasileiro, garantirem a permanência no país –a lei veta a expulsão de pais de crianças nascidas em território nacional.

“Assim como muitos brasileiros buscam ter filhos em outros países, o mesmo ocorre com estrangeiros aqui. É comum”, diz Clóvis Silveira Júnior, médico e coordenador das unidades de saúde municipais no centro de SP.

Além da busca pelo visto, também contribuem para a alta no…

Ver o post original 1.362 mais palavras



Outras que compartilham esta importante e decisiva leitura.

Leonardo Boff

MICHAEL LÖWY é um dos mais criativos e fecundos intelectuais brasileiros. De ascêndencia hebraica, nasceu no Brasil em 1938 mas passa grande parte do tempo em Paris como Diretor de Pesquisa do Centre National de la Recherche Scientifique. Faz frequentes viagens ao Brasil para cursos e assessorias acompanhando de perto as política nacional, sempre numa perspectiva libertadora. É um dos melhores conhecedores da Teologia da Libertação com obras que cabe serem lidas e estudadas: Marxismo e Teologia da Libertação, Cortez, São Paulo 1991; A guerra dos deuses: religião e políticas na América Latina, Vozes 2000; Redenção e utopia:o judaismo libertador na Europa Central. Companhia das Letras, Rio de Janeiro 1989 entre outros. É um dos fundadores do ecosocialismo em nivel internacional e lançou em 2014 o livro O que é o ecossocialismo? Editora Cortez, São Paulo. Representa um marxismo aberto e humanista sempre em diálogo com as correntes…

Ver o post original 1.960 mais palavras



blog da Revista Espaço Acadêmico

RAYMUNDO DE LIMA*

Clipboard01“El sueño de la razón produce monstruos”[1]

A historiadora das religiões Karen Armstrong em seu livro “Em nome de Deus” (2001) relata que: “Em 1920, o político democrata e presbítero Willian J. Bryan [1860-1925] lançou uma cruzada contra o ensino da teoria da evolução nas escolas e faculdades. Achava que o responsável pelas atrocidades da 1a. Guerra Mundial fora o darwinismo”.

Esse pseudo-argumento contra a teoria de Darwin seria reaproveitado após a 2a. Guerra Mundial, com a revelação do holocausto dos judeus e a divulgação de que os nazistas tinham intenção de realizar uma “seleção da sociedade” fundado no arianismo; desse modo, “o darwinismo teria influenciado diretamente o militarismo alemão e a decisão da Alemanha declarar guerra” (ARMSTRONG, op. cit., p. 203).

Desde os anos 1920, os fundamentalistas[2] – termo originariamente dirigido aos cristãos presbiterianos, que definia cinco dogmas religiosos fundamentais pelos presbiterianos, em…

Ver o post original 2.717 mais palavras



Cuidar de si mesmo é amar-se, acolher-se, reconhecer sua vulnerabilidade, poder chorar, saber perdoar-se e perdoar e desenvolver a resiliência que é a capacidade de dar a volta por cima e aprender dos erros e contradições. Então escrevemos direito apesar das linhas tortas.

Leonardo Boff

  Ao assumir a categoria “cuidado” na relação para com a Mãe Terra e para com todos os seres, o Papa Francisco reforçou não só uma virtude mas um verdadeiro paradigma que representa uma alternativa ao paradigma da modernidade que é a da vontade de poder /dominação que tantos prejuízos trouxe.

Devemos cuidar de tudo, também de nós mesmos, pois somos o mais próximo dos próximos e, ao mesmo tempo, o mais complexo e o mais indecifrável dos seres.

Sabemos quem somos? Para que existimos? Para onde vamos? Refletindo nestas perguntas inadiáves vale lembrar a ponderação de Blaise Pascal (+1662) talvez a mais verdadeira.

Que é o ser humano na natureza? Um nada diante do infinito, e um tudo diante do nada, um elo entre o nada e o tudo, mas incapaz de ver o nada de onde veio e o infinito para onde vai (Pensées § 72).

Na…

Ver o post original 767 mais palavras



et cetera