luveredas











Demografia Unicamp

Para aqueles que não puderam estar no VI Congresso da Associação Latino-Americana de População (ALAP), que aconteceu de 12 a 15 de agosto de 2014 em Lima, Peru, e também para os que estavam no Congresso, mas não conseguiram acompanhar todas as apresentações devido à quantidade de atividades ocorrendo simultaneamente, uma ótima dica é acessar o Blog do evento, que conta com fotos, vídeos e matérias jornalísticas.

 

Blog del VI Congreso Alap – Peru 2014

Dinámica de población y desarrollo sostenible con equidad

 
 
Revise nuestro Blog en el siguiente link 
 
Revise la página de Facebook de ALAP en el siguiente link
 
Revise entrevistas/videos realizadas durante el congreso en el siguiente link
 
Acceda a nuestra galeria de fotos del congreso en el siguiente link 
La progamación del Congreso, revisela aqui
 
 
 
 

Congreso Latinoamericano de Población – ALAP 2014

    Ciudades y…

Ver o post original 237 mais palavras



blog da Revista Espaço Acadêmico

ALEXANDER MARTINS VIANNA*

Quem costuma pensar no provérbio que diz que a morte e a doença nivelam, certamente não assistiu ao quanto isso é desafiado no filme Elysium (2013), onde o apartheid se traduz não mais em termos raciais, mas estritamente sociais. Em Elysium (i.e., o “Céu” dos romanos gloriosos antigos), a medicina possibilita que a elite nunca morra, pois pode haver a regeneração perpétua de tecidos, a recuperação de danos sérios ao corpo e a cura de doenças contraídas ou degenerativas; enquanto o restante da Terra vive a superpovoação, a escassez de recursos, o policiamento ostensivo desumanizado e a vulnerabilidade da vida e nos empregos. Então, temos encenado a tópica das duas “cidades”: a celeste e a terrestre, social e biologicamente apartadas, mas unidas pela necessidade do trabalho humano em fábricas, embora a robótica tenha avançado a ponto de substituir o aparato policial. Do ponto de vista da…

Ver o post original 615 mais palavras



Leonardo Boff

Passaram-se 69/70 anos do maior ato terrorista da história que foi o lançamento de duas bombas atômicas sobre as cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki. Não eram armas contra exércitos, mas armas de destruição em massa, de civis, mulheres, crianças, animais, vegetação, de tudo o que vive. O copiloto Robert Lewis vendo a devastação, assustado exclamu: ”Meu Deus, o que fizemos”? O impacto foi tão demolidor que o imperador Hiroíto logo se rendeu também por este argumento:”para evitar a total extinção da civilização humana”(P. Johnson,Tempos modernos 1990,357). Ele captou sabiamente: partir de agora não precisamos mais que Deus intervenha para pôr fim à nossa história. Nós nos demos os instrumentos que nos podem autodestruir. Como disse Sartre:” nós nos assenhoreamos de nosssa própria morte”.

No final de sua vida, o grande historiador inglês Arnold Toynbee (+1975), depois de escrever muitos tomos sobre as grandes civilizações, deixou consignada esta opinião…

Ver o post original 598 mais palavras



blog da Revista Espaço Acadêmico

HÉRICKA WELLEN*

O filme “O sonho de Cassandra” (Cassandra’s dream, 2007) faz parte da excelente safra europeia do diretor nova-iorquino Woody Allen, ao lado de filmes como “Match Point” (2005), “Vicky Cristina Barcelona” (2008), “Meia noite em Paris” (Midnight in Paris, 2011) e “Para Roma com amor” (To Rome with love, 2012).

“O sonho de Cassandra” conta a história dos irmãos Blaine, únicos filhos de uma família de classe média na cidade de Londres. Representados brilhantemente pelos atores Ewan McGregor e Colin Farrel, respectivamente, Ian e Terry Blaine são irmãos que mantêm uma afetuosa relação de amizade, apesar de serem muito diferentes um do outro. Na definição de sua mãe (Clare Higgins), Terry seria o filho “atleta”, enquanto Ian seria o “cérebro”: “Todos previam grandes coisas para Ian. É tão bonito e sociável. É um mistério ele não ser mais bem sucedido”.

sonho_cassandra_01

A despeito da previsão de que faria…

Ver o post original 1.196 mais palavras



:|: Africopoética :|:

Nossos parabéns ao povo centro-africano, que embora esteja hoje comemorando o 54º aniversário de sua independência, vive momentos terríveis por conta de uma guerra civil. Genocídios, disputas étnicas, massacres, enfim, são dias terríveis por lá.

Central African Republic

Ver o post original



Leonardo Boff

Ariano Suassuna, grande artista brasileiro, alegrou a muita gente com suas peças de teatro e com suas palestra-espetáculo.Certamente estes versos, bem no estilo nordestino, alegrarão a muitos como me alegraram a mim. E também prestam-lhe uma homenagem das mais merecidas. LBoff

A CHEGADA DE ARIANO SUASSUNA NO CÉU
Autores: Klévisson Viana e Bule-Bule

Nos palcos do firmamento
Jesus concebeu um plano
De montar um espetáculo
Para Deus Pai Soberano
E, ao lembrar de um dramaturgo,
Mandou buscar Ariano.

Jesus mandou-lhe um convite,
Mas Ariano não leu.
Estava noutro idioma,
Ele num canto esqueceu,
Nem sequer observou
Quem foi que lhe escreveu.

Depois de um tempo, mandou
Uma segunda missiva.
A secretária do artista
Logo a dita carta arquiva,
Dizendo: — Viagem longa
A meu mestre não cativa.

Jesus sem ter a resposta
Disse torcendo o bigode:
— Eu vejo que Suassuna
É teimoso igual a um bode.
Não pode, mas…

Ver o post original 1.096 mais palavras



{agosto 12, 2014}   Uma geração sem bússola?

blog da Revista Espaço Acadêmico

alfredinhoPe. ALFREDO J. GONÇALVES, CS

Na sociedade contemporânea, será lícito falar de uma geração sem bússola? Limitando-nos ao Brasil, as opiniões se bifurcam e trifurcam. Alguns insistem, não sem um certo saudosismo, na distância que separa os anos de 1960-70-80, por uma parte, e os tempos atuais, por outra, para acentuar o confronto entre uma geração “engajada do ponto de vista eclesial, social e politico” e uma geração que “parece não querer nada com nada”. Naquelas décadas pretéritas, afirmam, alguns referenciais orientavam a práxis libertadora: o socialismo enquanto alternativa ao capitalismo, a Teologia da Libertação, a opção pelos pobres… Tudo isso resultando, concretamente, na organização dos movimentos sociais e populares, do sindicalismo combativo, da efervescência no meio estudantil, na formação das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) e Pastorais Sociais, bem como na defesa dos direitos humanos, particularmente dos indígenas, afro-brasileiros, mulheres… E ainda em uma atitude empenhativa seja por parte…

Ver o post original 540 mais palavras



Demografia Unicamp

Livro e tese de livre-docência analisam causas e consequências de catástrofes que atingem o Brasil e outros países da América do Sul

Os reféns da ‘geografia do preço’
Silvio Anunciação

No decorrer das tragédias ambientais de 2011 na região serrana do Rio de Janeiro, o poder público adotou uma “solução” para prevenir os moradores em situação de risco e evitar novas mortes: sirenes que apitam, avisando à população o momento de deixar suas casas, na iminência de um deslizamento de terra. O sociólogo e demógrafo Roberto Luiz do Carmo, docente do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Unicamp e pesquisador do Núcleo de Estudos de População (Nepo), cita o exemplo para explicitar a deficiência na abordagem das politicas públicas direcionadas aos desastres ambientais do país.

“Atualmente, as propostas…

Ver o post original 2.803 mais palavras



Demografia Unicamp

Dados sobre refúgio no Brasil
Uma análise estatística (2010-2013)

refugiadosnobrasil2014_640px

O Brasil é signatário dos principais tratados internacionais de direitos humanos e é parte na Convenção das Nações Unidas de 1951 sobre o Estatuto dos Refugiados e no seu Protocolo de 1967. O país promulgou, em julho de 1997, a sua lei de refúgio nº 9.474/97, contemplando os principais instrumentos regionais e internacionais sobre o tema. A lei adota a definição ampliada de refugiado estabelecida na Declaração de Cartagena de 1984, que considera a “violação generalizada de direitos humanos” como uma das causas de reconhecimento da condição de refugiado. Em maio de 2002, o país ratificou a Convenção das Nações Unidas de 1954 sobre o Estatuto dos Apátridas e, posteriormente, em outubro de 2007, a Convenção da ONU de 1961 para Redução dos Casos de Apatridia. A lei brasileira de refúgio criou o Comitê Nacional para os Refugiados (CONARE), um órgão…

Ver o post original 1.151 mais palavras



et cetera